O Agitprop da Pandemia

:

Posters, Adesivos e Pixos do Mundo Todo

Categories:
Localizations:

Para ter uma ideia como anarquistas e outros rebeldes têm respondido à pandemia do COVID-19 e ao poder autoritário que o acompanha, colecionamos fotos de pôsteres, adesivos e grafites da Áustria, Brasil, Chile, França, Alemanha, Grécia, México, Eslovênia, Espanha e Estados Unidos. Apresentamos aqui traduções e notas. Examine-os para encontrar novos slogans e imagens que você pode ajustar para o seu próprio contexto.

Ao limpar as ruas, a pandemia tornou cada cidade um pouco mais parecida com Pripyat, a cidade fantasma ucraniana ao lado da Usina Nuclear de Chernobyl. Pripyat tem sido um destino para grafiteiros que se aproveitam de suas ruas vazias para criar murais vastos. Da mesma forma, nos últimos dois meses, vimos artistas desafiarem com ousadia o toque de recolher para decorar os muros de suas cidades, re-encantando o mundo físico em um momento em que muitos de nós estão navegando na realidade virtual de baixa de banda larga através de nossos telefones celulares. Que todos nós sigamos seus exemplos.

“Repressão, propaganda, proibições e confinamento não são remédios. Estas são as soluções que o estado impõe para cada inimigo.’”

-um adesivo anarquista criticando a resposta do Estado à pandemia na Grécia


Como deve ser óbvio, negamos a legitimidade dos governos e narrativas coloniais de todos os países listados abaixo. Usamos essa taxonomia apenas para a conveniência de identificar os vários contextos nos quais as pessoas estão agindo e para observar as diferentes análises e ênfases que estão surgindo em resposta.


Áustria

“Greve de aluguel já!”

Adesivo: “Greve de aluguel já!”

Adesivo: “Greve de aluguel já!”

Um panfleto da Greve de Aluguel de Salzburg: “Por causa da pandemia do COVID-19, muitas pessoas agora estão perdendo sua renda, ou pelo menos parte dela. Enquanto o governo promete bilhões em pacotes de ajuda à economia, temos que nos ajudar: vamos declarar uma greve de aluguel agora!”

Além do grupo de aluguel em Salzburgo, agora existe um grupo semelhante na Suíça.


Brasil

“Covarde 17”: 17 era o número do partido do presidente proto-fascista do Brasil, Jair Bolsonaro, embora ele tenha sido forçado a sair desse partido e ainda tenta formar outro.

Um pôster: “Faz tempo que recomendamos o uso de máscaras. Organize solidariedade e ação direta!”

“Nos recusamos a pagar!”, uma das artes da coleção do Chamado para Greve de Aluguéis no Brasil.

“Não voltaremos à normalidade — a normalidade é o problema.”— Um poster.

Não voltaremos à normalidade — a normalidade é o problema.

Destruição dos ecossistemas, desmatamento, agrotóxicos, doenças. Há anos que a exploração desenfreada do planeta tem provocado a multiplicação de novas doenças, pandemias e catástrofes. Apesar das evidências, governos atrelados aos interesses privados das multinacionais, nunca fizeram e nunca farão nada para que isso mude. Nossa força está nas nossas ações.

DESCARTEMOS O CAPITALISMO. ANTES DELE NOS DESTRUIR!

Video do coletivo AntiMedia em resposta ao vídeo que o governo brasileiro encomendou inpirado na propaganda divulgada pela prefeitura de Milão: “O Brasil Vai parar”

“Colonialismo é uma praga — o capitalismo é uma pandemia”. Este pôster em língua espanhola aparece aqui com um manifesto anti-futurista indígena sobre a pandemia. A foto original do assunto deste pôster, uma pessoa do povo Mebêngôkre (às vezes referido como Kayapó), um grupo indígena da terra brutalmente colonizada pelo Brasil, aparece aqui.


Chile

“Greve até que o estado e o coronavírus pereçam.” Santiago, Chile.

“A outra Batalha da Primera Linea,” um vído das ruas de Santiago, Chile.

No Chile, a Primera Linea se refere a manifestantes da linha de frente que lutaram contra a polícia em confrontos semanais a partir de 19 de outubro de 2019— quando os manifestantes queimaram e saquearam Santiago — até a chegada da pandemia do COVID-19 no Chile. Desde outubro, muitos anarquistas chilenos expressaram espanto com a rapidez com que o combate militante contra a polícia passou a ser visto como legítimo, com a Primera Linea celebrada em camisetas, por famosos da cultura pop e até por membros do Congresso. No entanto, toda vitória apresenta novos desafios. Superar os debates sobre a não-violência que atacaram anarquistas por anos não é suficiente para transmitir uma visão anarquista completa ao público em geral.

Por exemplo, no vídeo acima, vemos brevemente um manifestante mascarado da Primera Linea que mais tarde invoca a necessidade de lutar fisicamente contra a polícia distribuindo propaganda eleitoral e descrevendo a Primera Linea como o “exército do povo”, um conceito que, apesar de todos os nobres intenções, está manchada com o sangue de milhões. Como o jornal anarquista de língua espanhola Kalinov Most disse: “[A romantização da primera linea] deve ser vista com certa cautela, dada a tendência à exaltação heroica de certos papéis dentro da insurreição que podem levar ao fetichismo e a mentalidades militaristas. “ Obviamente, o jovem rebelde neste vídeo não representa a opinião de todos que se identificam como primera linea. Ninguém o faz — como o black bloc, é uma tática anárquica, não uma organização ou ideologia política.

O que é interessante na legitimação da Primera Linea é simplesmente o fato de colocar pessoas que não tiveram anteriormente a experiência de lutar contra a opressão estatal em contato com anarquistas e outros que o fazem. Na melhor das hipóteses, isso equipou muitos dos que estão na linha de frente para entender como a autoridade estrutura nossa sociedade e ver, como os sujeitos deste vídeo, como o combate à polícia nas ruas anda de mãos dadas com o combate às formas que o capitalismo empobrece. e rebaixa quase todos os aspectos de nossas vidas diárias e espaços públicos.


França

As fotos a seguir são da rue ou rien, uma coleção no twitter de mensagens políticas radicais vistas nas ruas da França.

“Caminhada é muito arriscado, mas trabalhar sem proteção é OK.” - Macron

“E se nunca voltarmos ao trabalho?”

“Enfrentar o COVID-19 é como confrontar os policiais — nós nos ajudamos.”

“O confinamento é uma escolha política liberticida.”

Policiais, coronavírus, nos deixe respirar!

“Coronavirus pra todo lado. Justiça em lugar nenhum. Fogo nas prisões!”

“Coronavírus ou não, somos contra este mundo — morra o capitalismo, morra.”

“COVID-19…84.”

“A economia ou a vida?”

“Máscaras FFP2 0.70€, LBD40 1240€. ‘Não estamos do mesmo lado.’ - Didier Lallement [chefe de polícia em Paris].” O LBD40 é um lançador de granadas atordoante comprado para a polícia francesa conhecidamente violenta, com grandes despesas para o público contra quem ele deve ser empregado.

“Quem sabe, talvez o LBD40 [o dispositivo de controle de manifestações caro mencionado acima] seja eficaz contra o coronavírus?”

“Bombeiros, enfermeiras, coletores de lixo, pessoas em greve, eu te amo!” E com outra letra:” Nós também!”

“A liberdade é um flagelo para os governantes. No final deste confinamento, vamos nos tornar sua peste negra.”

“Menos polícia, mais álcool em gel.”

“Não esquerecemos nada, nunca!”

“Viva a revolta dos prisioneiros. Vamos destruir o que nos aprisiona.”

“Mais máscaras, menos policiais na nossa cola.”

“Sem retorno ao normal — a normalidade é o problema.”

“No meu formulário oficial, escrevi: ‘Envolvendo-se em uma atividade esportiva individual’. “Uma referência aos formulários que as pessoas devem preencher na França para explicar o que estão fazendo quando saem de casa.

Morcego + pangolim = colapso financeiro.

Pangolin vs. capitalismo.

“Quando o tolo aponta para o pangolim, o sábio vê o desmatamento.” (Adaptação de um ditado francês.)

Um pôster pedindo as cinco medidas de emergência expressas em português aqui.

Adesivos pedindo as medidas mencionadas.

“Ficar em casa, ok. Não estou vendo amigos, ok. Preencher um formulário oficial para sair, não OK!”

“COVID-19 não é uma desculpa para delatar. Foda-se o 17. “(17 é o número de telefone para ligar para a polícia francesa.)

“O governo quer seu bem — Primeiro de abril!”

“A ilusão de segurança. O desconhecimento da liberdade.”

“A revolução vai viralizar.”

“O vírus é o Estado.”

“O pior tipo de vírus é o estado.”

“Hoje o distanciamento social, amanhã barricadas.”

“É utópico acreditar que tudo pode continuar como está.”

Um pronunciamento gnômico: “Você é a pandemia!!!”


Alemanha

“A crise mostra o que já era um problema antes. “Berlim, no bairro de Neukölln. Foto por Syndikat.

Um adesivo distribuído pelo Black Mosquito: “Solidariedade e conscientização em vez de medidas autoritárias; se o mercado de ações conta mais do que vidas humanas, devemos derrotá-lo.”

“Só acumula quem tem preguiça de saquear. Solidariedade sim, pânico não.” Em alemão, esse slogan pode ser lido de duas maneiras diferentes: como uma maneira de comparar a acumulação com o roubo — ou como uma maneira de apoiar os saques e redistribuição coletiva sobre a acumulação.

“Só acumula quem tem preguiça de saquear. Solidariedade sim, pânico não.” Black Mosquito.

“Coronavirus pra dentro do parlamento.”

vídeo de grafiteiros alemães: “Nossa resposta à crise”.

Também observamos os esforços do coview.info na Alemanha: “Uma iniciativa para responder ao impacto político e social do COVID-19 e às medidas que o acompanham.”


Grécia

“Contra a política de morte do Estado — solidariedade às lutas e revoltas dos detidos em prisões e campos de refugiados”.

“Para alguns, o lar não é um lugar seguro — também existe o vírus da violência sexual.”

“Não somos heróis, somos reféns dos chefes e do estado. Solidariedade com quem trabalha no tempo de quarentena.”

“É melhor beijar e abraçar por uma hora do que ter 40 dias de Netflix e Chardalias. “Chardalias é o ministro do governo responsável pelas entrevistas à imprensa sobre COVID-19; todos os dias às 18h, a mídia corporativa transmite um anúncio público dele. Este slogan é uma referência a uma música grega tradicional.

“Lição do exame: biologia; conteúdo do exame: religião. Não atribuímos nossos corpos a nenhum deus, a nenhuma ciência.”

“Vamos resistir ao vírus da submissão, vamos espalhar o vírus da revolta.”

“A medicina é mágica - torna os encontros proibidos.”

“Pandemia de exploração do trabalho e exaustivos horários de trabalho. Guerra contra a guerra dos patrões.”

“Quarentena é a contrapartida de higiene do toque de recolher militar. Vida, não sobrevivência!”

“A tecnologia é um controle cibernético e repressão mágica.”

“Para o vírus do totalitarismo, a terapia está se reunindo nas ruas.”

Muitos desses designs de adesivos podem ser encontrados aqui junto com outros adesivos de anarquistas da Grécia.


Itália

“Taxam os ricos — congelam gastos militares — contratam e protegem os profissionais de saúde — fecham fábricas desnecessárias — anistia e perdão para todos os prisioneiros — apreendem todos os recursos privatizados de assistência médica — ‘complementam’ para todos os estudantes — congelam aluguéis — renda em quarentena — centros de detenção de imigrantes mais próximos — controle da produção para os trabalhadores!”

Uma modificação no outdoor da nomissis intitulada “Money

“Nossa saúde contra o lucro deles. #wecantprotecourselves #wedontwantmartyrs”

“Não vamos voltar à normalidade, porque a normalidade é o problema! Quando o bloqueio terminar, vamos nos encontrar nas ruas.”

“Não pagaremos pela crise!” “1 carro do governo = 100 pacientes.” “Não à militarização, sim à saúde pública.”

Também observamos uma série de pôsteres intitulada #RicordaiResponsabili, “Lembre-se dos responsáveis”, incluindo textos como os seguintes:

Do lado de fora, um metro e oitenta de distância — Nas prisões italianas, há cerca de 10.299 pessoas acima da capacidade. Em 7 de março, houve motins em 40 prisões italianas. A causa — devido a uma situação já exasperante — foi a suspensão das conversas com os familiares, uma medida para reduzir a infecção. No entanto, os guardas das prisões continuam entrando e saindo, infectando os que estão dentro, como já aconteceu em uma dúzia de prisões.

Eles mantêm as fábricas superlotadas — Os decretos insistem em colocar o país em quarentena, mas obrigam os trabalhadores a continuarem a dar lucros aos proprietários das fábricas. É por isso que muitos trabalhadores entraram em greve em muitas fábricas.

Eles culpam um passeio — O que é mais perigoso? Um passeio ao ar livre com as devidas precauções… ou trabalhando em fábricas e call-centers, em um espaço confinado e sem proteção adequada?

Eles enchem as ruas com o exército — Hoje, para controlar quem se move sem “razão justificada”, e no futuro, para lidar com agitações sociais e protestos que se espalharão pela crise financeira que virá. A militarização e a vigilância mantêm o estado de medo, o aparato fundamental do controle social.


México

“Não há vírus pior que o medo, egoísmo, ignorância e individualismo.”

“Bem-vindx à Luta dos Sem Rosto.”

“Suspensão imediata do pagamento de aluguéis — e os que pagam estão parados, o que cobram também devem parar” Uma maneira muito mais realista de enquadrar a situação do que fraco fazer demandas aos que estão no poder.

Todos esses pôsteres e muito mais sobre a pandemia são do prolífico estúdio de artes visuais Gran Om.


Eslovênia

“Após o vírus, revolta.”

“Fascismo sob a máscara da quarentena.”

“Governo é um vírus.”

“Máscaras, é uma revolução.” O grafite adicional diz: “A faculdade acadêmica para os alunos!”

“Quarentena para os representantes estaduais.”

“Quarentena para os militares.”

“Quarentena para o Estado.”

Grafite em inglês sobre a Greve de Aluguel em Ljubljana, Eslovênia.

Fotografias de uma ampla variedade de outros grafites anarquistas em Ljubljana sobre a pandemia podem ser encontradas nas páginas do facebook do Komunal.org e no infoshop no antigo e autônomo bairro de Metelkova. Os slogans incluem “Eu fiquei em casa e perdi minha casa”, “Eles terminaram” (uma referência a um slogan da revolta de 2012–2013), “Nós não somos todos iguais — a pessoa pobre só estará viva como desde que o sistema possa se beneficiar dele”, e uma expressão surpreendentemente de simples: “Eu realmente não me sinto confortável “.


Espanha

Arte punk sobre a pandemia da artista venezuelana in Barcelona.

Neste guia encantador, o antigo sindicato anarquista da CNT incentiva os trabalhadores a “lavar as mãos sem extinguir a chama da revolta”, medindo a quantidade adequada de tempo para lavar as mãos cantando a música clássica da Guerra Civil Espanhola “A Las Barricadas “:

Ajuda mútua — apenas as pessoas ajudam as pessoas:

Greve de Aluguéis, Catalunha:

Greve de aluguel da Federação Anarquista das Ilhas Canárias:


Estados Unidos

“Greve de Aluguéis já!”

“Suspenda os Aluguéis!”

“Não dá pra pagar, não vamos pagar!”

“Greve de Aluguéis!”

“Greve de Aluguéis já!”

“Greve de Aluguéis já!”

“1º de Maio, organize com sua vizinhança.”

“Greve de aluguel!”

“Não morra pela Dow (Jones, bolsa de valores), greve de alguel agora!

“Não dá pra pagar, não vamos pagar! Greve de alguel já!”

“Abolir os Senhorios!”

Chamado para greve no 1º de Maio

“Uma pandemia não é só uma coleção de vírus, mas uma relação social entre pessoas, mediada por vírus.”


Bem vidxs à nova era!